Pedro Figueiredo consegue promoção ao European Tour

Depois de Daniel Silva, Filipe Lima, Ricardo Santos e Ricardo Melo Gouveia, chegou a vez de… “Figgy”, que guardou o melhor para o fim e, com uma volta providencial de 67 (-5) a fechar na Grand Final do Challenge Tour em Ras Al Khaimah, nos Emirados Árabes Unidos, garantiu a promoção ao European Tour, onde se junta a Ricardo Melo Gouveia.

A sua excelente prestação neste sábado, com um resultado só superado pelo 65 do norueguês Eirik Taje, proporcionou-lhe uma subida dos 26.ºs para os 13.ºs, suficiente para que subisse também dois lugares na Corrida para Ras Al Khaimah – a ordem de mérito do circuito –, de 17.º para 15.º.

O top-15 desta última tabela conquistou o cartão para a alta-roda roda europeia, onde “Figgy”, de 27 anos, se vai estrear cinco anos depois de ter passado a profissional.

Pedro Figueiredo, que este ano vencera o KPMG Trophy na Bélgica, totalizou 281 (70-70-72-67), 7 abaixo do Par, tantas como o suíço Marco Iten, o holandês Darius Van Driel e o dinamarquês Joachim Hansen, que foi o primeiro classificado na Corrida para Ras Al Khaimah.

O vencedor da prova foi o espanhol Adri Arnaus, com 271 (66-69-67-69), -17.

A tarefa de Filipe Lima subir novamente ao European Tour era mais complicada, já que iniciou a Grand Final do Challenge Tour em 33.º na Corrida para Ras Al Khaimah. Precisava da vitória nos Emirados, não a obteve, mas terminou em bom nível, no quarteto dos 7.ºs, com 278 (70-66-71-71), -10. Na Race to Dubai, subiu para 26.º final.

Filipe Lima ainda tem mais uma hipótese, na Fase Final da Escola de Qualificação, e entretanto Ricardo Santos, Tiago Cruz, João Carlota e Tomás Silva estão já a competir em Espanha na Segunda Fase da Escola.

Declarações de Pedro Figueiredo no rescaldo do apuramento para o European Tour, recolhidas pelo press officer do Challenge Tour a pedido do Gabinete de Imprensa da PGA de Portugal:

“Estou muito contente, é um grande alívio ter conseguido ficar nos primeiros 15 do Challenge Tour. Foi muito à rasca, digamos assim, no limite, até ao último putt do último jogo, mas fiquei com a sensação de dever cumprido. Estou sem palavras para descrever as minhas sensações neste momento.

“Não tinha muito a perder hoje, sabia que tinha de fazer uma boa volta e esperar que os outros jogadores me ajudassem na classificação. Portanto fui com o objetivo de fazer o melhor possível, concentrar-me no meu jogo. Comecei bem, com dois birdies nos primeiros 3 buracos e também joguei bem a última volta com -3 nos últimos 9. Foi uma boa volta de -5, com um bom putt no 18 que me garantiu o top-15

“Esse putt acabou por ser decisivo, se eu não metesse penso que não conseguia ficar no top-15. Na altura não sabia disso, mas sabia que podia ser um putt importante, e não era fácil, era um um putt de 3 metros numa situação decisiva. Quando a bola entrou foi uma sensação de alegria e depois era esperar que os outros não me passassem à frente, e acabei por ter sorte de conseguir ficar no top-15

“Ainda não realizei bem que consegui o objectivo de estar no European Tour, mas tenho a certeza que vão ser semanas aliciantes, apetece-me muito, sempre foi um objetivo. Agora está cumprido, esta semana vai ser uma semana de alegria mas depois tenho de voltar à realidade e continuar o meu trabalho para conseguir bons resultados.”