Tomás Melo Gouveia vice-campeão no Algarve

Tomás Melo Gouveia preparou da melhor maneira o seu assalto a um primeiro título de campeão nacional de profissionais, ao obter um bom 2.º lugar no The Invitational Pro-Am que a PGA da Europa organizou na Quinta do Lago, no Algarve.


«Acho que foi uma boa preparação para o Campeonato Nacional. Consegui mais um pouco de experiência neste contexto de estar a lutar por um título e isso é sempre importante para ajudar-me a encarar situações semelhantes no futuro, que poderá ser já em Espinho, no Nacional», disse Tomás Melo Gouveia à Tee Times Golf, em exclusivo para Record.

O irmão mais novo de Ricardo Melo Gouveia sagrou-se vice-campeão (empatado) com 206 pancadas, 10 abaixo do Par, após voltas de 67 ao Percurso Norte, 71 no Laranjal e 68 no Percurso Sul.

Este ano já tinha sido 2.º classificado num torneio do Portugal Pro Golf Tour (uma espécie de quarta divisão europeia) e num evento do Pro Golf Tour (uma das terceiras divisões europeias). Aos poucos, o antigo campeão nacional amador começa a acercar-se de um título internacional de profissionais. 

O português de 23 anos, cujos pais possuem residência junto ao campo do Laranjal, sentiu-se, obviamente, a jogar em casa e só ficou a 1 pancada do vencedor, o italiano Luca Chianchetti (68+66+71), um antigo campeão europeu amador.

A volta de 67 no primeiro dia deu a Tomás Melo Gouveia a liderança no primeiro dia, em parte devido a 5 birdies nos últimos 9 buracos, um resultado de luxo. Entre 44 participantes, durante três dias, só quatro jogadores fizeram melhor, com voltas de 66.

«Senti-me a jogar muito bem ao longo dos três dias e já vinha a jogar bem do Hilti PGA Open», afirmou, referindo-se ao torneio do PGA Portugal Tour (o circuito profissional português) da semana passada.

«Não foi uma surpresa ver-me a lutar pela vitória, porque sabia que estava a jogar bem e conhecia muito bem os campos onde jogámos. Obviamente que também é sempre bom ganhar a grandes nomes do golfe mundial. E eu estava mesmo a jogar para a vitória, sabia que era capaz e que o jogo estava a corresponder mas, mesmo assim, fico contente com o 2.º lugar porque senti uma boa evolução no meu jogo e considero positivo este 2.º lugar tendo em conta o ‘field’ de jogadores», acrescentou.

Tomás Melo Gouveia mostrou ser capaz de rivalizar com os melhores e não podemos esquecer que estavam em campo competidores como o galês Bradley Dredge, que já venceu o Madeira Islands Open BPI e a Taça do Mundo de profissionais em Vilamoura, e, sobretudo, o irlandês Paul McGinley, que foi um expoente máximo europeu da Ryder Cup, tanto como jogador, como no cargo de capitão, e que dirige uma academia de golfe na Quinta do Lago. Ambos jogaram bem, já que Dredge foi 5.º (-9) e McGinley 7.º (-6). 

 
 
 

«Achei que a lista de jogadores era muito boa, com muita variedade, alguns jogadores bastante conhecidos que já jogaram e ganharam no European Tour e outros jovens muito promissores como o Luca Cianchetti que venceu o torneio», analisou Tomás Melo Gouveia.

Embora o The Invitational Pro-Am se realizasse às portas da sua casa paterna, Tomás Melo Gouveia nem tinha previsto jogar o torneio, mas foi desafiado a fazê-lo por outro jogador português que, tal como ele, vai militar para o ano no Pro Golf Tour.

«Este torneio surgiu porque o Tiago Rodrigues inscreveu-se e desafiou-me a pedir um convite para jogar. Foi o fiz e o Eligo Club acabou por dar-me um convite», explicou.

Tiago Rodrigues, por seu lado, terminou na 37.ª posição (empatado) com 227 (78+75+74), +11.

Sendo um Pro-Am, houve também uma classificação por equipas e nesse caso Tomás Melo Gouveia foi 9.º classificado (-20) com o empresário esloveno Dragan Solak (proprietário de campos de golfe), enquanto Tiago Rodrigues foi 44.º (-1) com o britânico Gregory Devane.

A classificação por equipas foi ganha pela dupla italiana do profissional Emanuele Canonica e do amador Vittorio Mangifesta com 33 abaixo do Par. Canonica é outro dos vencedores de torneios do European Tour que esteve na Quinta do Lago.